Força-Tarefa entrega relatório de ações do plano de retomada econômica de Maringá

Reunião foi coordenada pelo Sebrae/PR
Gerente Regional do Sebrae/PR, Wendell Gussoni: “Nosso objetivo foi alcançado uma vez que as pautas mais emergenciais foram colocadas em prática imediatamente”

Atividades foram realizadas considerando 25 principais impactos do coronavírus; planejamento segue no próximo ano

 A Força-Tarefa do Plano de Retomada do Desenvolvimento Econômico e Social de Maringá apresentou para o prefeito Ulisses Maia, nesta sexta-feira (18), relatório dos planos de ação e das atividades desenvolvidas emergencialmente neste segundo semestre. Anunciado em abril, o programa visa tornar Maringá economicamente saudável para as empresas e para a população diante da crise causada pela pandemia da Covid-19, colaborando para a geração de empregos e renda.

A iniciativa é da Prefeitura de Maringá em parceria com o Sebrae/PR, responsável pela coordenação técnica do trabalho. A Associação Comercial e Empresarial de Maringá (Acim), Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá (Codem) e outras 20 entidades, como sindicatos, instituições de ensino, conselhos e associações também compõem a Força-Tarefa.

“Assim que começou pandemia de coronavírus, focamos nossos esforços na Saúde e saímos na frente com o Plano de Retomada da Economia em Maringá”, considerou prefeito Ulisses Maia.

Uma das primeiras ações foi um diagnóstico da economia de Maringá, a fim de dar subsídios para as decisões. O levantamento realizado junto a empresários de Micro e Pequena Empresa (57%), de Média e Grande Empresa (13%) e microempreendedores individuais (30%) de Maringá, mostrou que 91,1% dos negócios foram afetados alguma forma, sendo a queda de faturamento o principal problema apontado. Turismo e eventos, comércio, indústria, educação e prestação de serviços foram os setores que mais sofreram.

A Força-Tarefa listou 25 principais impactos do coronavírus em Maringá e já colocou em prática ações para turismo, eventos e economia criativa; acesso a crédito; educação, comércio e moda; redução da burocracia; gestão, inovação e negócios; dependência tecnológica das empresas; sinergia entre setores e empresas; investimentos públicos e privados e equilíbrio das contas públicas, entre outros temas.

O apoio estratégico contou com workshops, rodadas de negócios, organização de estratégias setoriais, capacitações direcionadas, consultorias e orientações prestadas por instituições locais. Só o Sebrae/PR apoiou a ação dedicando cerca de R$ 1 milhão do orçamento para prestar 6 mil horas de consultoria, 300 horas de orientação, 380 workshops, 900 eventos e 400 palestras aos empresários. Foram atendidas 3.050 empresas maringaenses e 1.371 pessoas físicas.

De acordo com o gerente do Sebrae/PR, Wendell Gussoni, o plano estudou minuciosamente dados relevantes dos reais impactos da crise e auxiliou apontando caminhos para solucionar problemas identificados. “Nosso objetivo foi alcançado uma vez que as pautas mais emergenciais foram colocadas em prática imediatamente e paralelamente às propostas. Mas o plano não acaba aqui, ele aponta para direções que serão seguidas no ano que vem para continuar o processo de aceleração econômica”.

Além da contratação do plano, a prefeitura vem realizando ações para incentivo na área de inovação tecnológica, editais na Secretaria de Inovação e Desenvolvimento Econômico (Seide), estimulou empresas locais a venderem em editais locais, por meio do Maringá Compra, por exemplo, promove a digitalização na Secretaria de Planejamento para agilizar e melhorar procedimentos para a construção civil, entre outras.

2021

Outras atividades serão colocadas em prática no próximo ano. No setor de turismo, com a aproximação de instituições e empresas um plano estratégico foi desenhado, sendo que 105 ações já foram definidas nas dimensões apoio da comunidade local; identidade do destino; competitividade das empresas; competitividade para o turismo; competências para o turismo; competências para o mercado; empreendedorismo; governança; inovação; cooperação e cenários futuros.

Na área de crédito, uma das propostas é a implantação do Programa Juro Zero, a ser votada pela Câmara de Vereadores. A ideia é que donos de micro e pequenos negócios de Maringá possam tomar crédito sem juros, graças a um fundo que será criado pela prefeitura. De imediato, serão aportados cerca de R$ 4 milhões, o que pode sustentar até R$ 40 milhões em crédito.

Conheça o resumo das ações: http://www2.maringa.pr.gov.br/sistema/arquivos/f6ee58fc7851.pdf

Fonte: Jornalistas Fernanda Bertola e Adriano Oltramari – Fotos: Mileny Melo/PMM
www.pr.agenciasebrae.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *