Maringá terá outros 6 Ecopontos, incluindo Distritos de Iguatemi e Floriano

Outros seis projetos serão implantados até o final do ano no Jardim Quebec, Conjunto Ney Braga, São Silvestre, Itaipu, nos distritos de Floriano e Iguatemi.
Van da educação ambiental fica no local para orientar e cadastrar o cidadão.
Primeiro Ecoponto de Maringá, instalado no Jardim Piatã, na rua Rio Samambaia, esquina com a avenida Tuiuti
Prefeito Ulisses Maia: “Trata-se de mais um avanço importante no reforço da qualidade de vida e no enfrentamento de um problema desafiador nesse século: o lixo”.

“Importante ter um espaço para a destinação correta de recicláveis ou, até mesmo, móveis, como no Ecoponto, porque antigamente esse local era usado para descarte de forma inapropriada. Os moradores têm o dever de manter a cidade limpa, evitando até a proliferação do mosquito da dengue”, disse Lucas dos Anjos, ao descartar garrafas de vidro no primeiro Ecoponto de Maringá, no Jardim Piatã. Outros seis projetos serão implantados até o final do ano no Jardim Quebec, Conjunto Ney Braga, São Silvestre, Itaipu, nos distritos de Floriano e Iguatemi.

“Trata-se de mais um avanço importante no reforço da qualidade de vida e no enfrentamento de um problema desafiador nesse século para o gestor público e o cidadão: o lixo, tanto o convencional quanto o reciclável. O importante é todos entenderem que é preciso reciclar cada vez mais e vamos criando os espaços e as condições para que isso ocorra, reforçando sempre a responsabilidade ambiental”, afirma o prefeito Ulisses Maia.

Em uma semana de funcionamento do 1º Ecoponto, a Secretaria de Serviços Públicos (Semusp) já recolheu 650 kg de materiais volumosos e 680 kg de pequenos restos de construção civil, de 45 pessoas que depositaram os materiais. Cerca de 70% são de moradores do bairro e entorno, além de outras 100 pessoas que solicitaram orientação no local. Os resíduos são coletados e encaminhados para a destinação adequada. Van da educação ambiental fica no local para orientar e cadastrar o cidadão.

O Secretaria de Meio Ambiente e Bem-estar Anima, Marco Antônio de Azevedo explica que cada material tem um limite semana/mensal por pessoa. “O espaço é monitorado por câmeras para evitar descartes irregulares no espaço, mas é preciso da conscientização de todos para respeitar as regras. Vamos testar o modelo e fazer as adaptações necessárias para então replicá-lo”, afirma.

O projeto representa o enfrentamento do descarte irregular lixo: a Prefeitura de Maringá recolhe média 5 toneladas de materiais descartados irregularmente todos os dias em ruas, avenidas, terrenos, praças e fundos de vale. A multa por descarte irregular de lixo e outros materiais inservíveis pode variar de R$ 2 mil a R$ 500 mil, e se o material for danoso ao meio ambiente, a autuação sobe para R$ 5 mil até R$ 50 milhões, de acordo com o decreto 337/2018.

Veja o manual do ecoponto aqui. http://www2.maringa.pr.gov.br/sistema/arquivos/52ccab2f9232.pdf

Fonte: Diretoria de Comunicação – Fotos: Mileny Melo/PMM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *