Mutirão recolhe quase 37 toneladas de potenciais criadouros do mosquito transmissor da dengue

Mutirão recolhe quase 37 toneladas de potenciais criadouros do mosquito transmissor da dengue
O intenso trabalho de combate à dengue realizado pela força-tarefa da Prefeitura de Maringá resultou na coleta de quase 37 toneladas de entulhos

O intenso trabalho de combate à dengue realizado pela força-tarefa da Prefeitura de Maringá resultou na coleta de quase 37 toneladas de materiais recicláveis e entulhos dos fundos de vales, com grande potencial para criadouros do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus. A força tarefa contou com mais de 200 pessoas, entre servidores, estudantes e os soldados do Tiro de Guerra.

Mutirão recolhe quase 37 toneladas de potenciais criadouros do mosquito transmissor da dengue
Foram fiscalizados 123 imóveis com 93 notificações emitidas

Equipes da saúde também vistoriaram mais de 6,6 mil imóveis e a fiscalização outros 123. Foram emitidas 93 notificações e constatadas outras oito com prazo vencido e que foram encaminhadas para autuação. Equipes identificaram 11 fundos de vale com problemas e enviaram para o Instituto de Meio Ambiente para notificação.

“O trabalho da Prefeitura para vencer a dengue não para. E contamos, principalmente, com o apoio da população, para ficar atenta à manutenção de seus quintais e o descarte correto de lixo. Situações como a que encontramos nos fundos de vale, por exemplo, são inadmissíveis”, pontou o secretário de Saúde, Clóvis Melo.

Nesta semana também será iniciado o trabalho de aplicação de veneno, procedimento conhecido como fumacê, reforçando o trabalho diário que já é feito com a bomba costal, na qual servidores aplicam o veneno a pé, passando em frente às residências.

Balanço dos dias 13, 14 e 16/04:

– 36,5 toneladas de materiais recicláveis e entulhos recolhidos
– 6.630 imóveis vistoriados
– 123 imóveis fiscalizados
– 93 notificações emitidas
– 8 notificações verificadas como vencidas
– 11 fundos de vale encaminhados para notificação do Instituto de Meio Ambiente.

Fonte: Natalia Jorgeto/Secom
Fotos: Aldemir de Moraes.