TECNOLOGIA – Parque de TI de Maringá será espaço sustentável e inteligente

As primeiras empresas que compraram terrenos no Parque de TI em Maringá, em 2020, começam a construir, em breve. Enquanto isso, a Prefeitura trabalha para oferecer um espaço sustentável e inteligente no Parque.  No local, serão executadas melhorias de rebaixamento das linhas de energia, captação de água, painéis fotovoltaicos, pontos de carregamento para veículos elétricos, áreas verdes de convivência e wifi, criando um espaço de economia digital e estrutura sustentável.

O Parque de TI tem uma área de quase 170 mil m². A iniciativa será viabilizada em duas etapas. Na primeira, foram comercializados 12 terrenos, somando 28 mil m², em frente à avenida Nildo Ribeiro da Rocha. Nove empresas já adquiriram terrenos. A associação Software by Maringá (SbM) também construirá uma sede no interior do Parque com espaços colaborativos para pequenas empresas e para pesquisas de instituições de ensino superior. Entre as nove empresas da primeira fase, três estão prestes a receber a liberação para construir.

“A segunda fase do Parque de TI está em processo de loteamento e os terrenos serão vendidos em breve”, comenta a diretora do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Maringá (Ipplam) e secretária interina de Urbanismo e Habitação de Maringá (Seurbh), arquiteta Bruna Barroca.

A segunda etapa começará esse ano com mais terrenos licitados numa área de 140 mil m² nos fundos do Parque. A expectativa é que o complexo tecnológico atraia investimentos nos segmentos de comércio e serviços para aquela região da cidade. O projeto global do Parque de TI foi concebido com visual sofisticado, arrojado e funcional e prevê espaços de convivência entre praças arborizadas.

As secretarias municipais orientaram e apoiaram empresários e empreendedores do Parque de TI. A Prefeitura ofereceu benefícios da Lei do Programa de Desenvolvimento Econômico de Maringá (Prodem) e vai preparar a terraplenagem e abertura das ruas no Parque, com a construção de asfalto e galerias. A estimativa inicial é gerar 400 empregos na primeira fase do Parque de TI. No entanto, esse número pode passar de mil vagas em 2021 com a chegada de novos investidores.

Primeiras empresas que compraram terrenos no Parque de TI:

  • lotes 1 e 2 – Sabium – produz sistemas para varejo
  • 3 – Produtec – software para segmento de vestuário
  • 4 – GetCard – software voltado para transações financeiras
  • 5 e 6 – Accion – software industrial
  • 7 – Software by Maringá – sede e outras instalações
  • 8 – TecnoSpeed – produtos para software
  • 9 – Atak Sistemas – software para frigoríficos
  • 10 – Ingá Digital – software para área pública
  • 11 – Consignet – software para área pública e consignados
  • 12 – DB1 Group – software para cooperativas, projetos sob encomenda

Fonte: Diretoria de Comunicação/Siacom – Foto: Aldemir de Moraes/PMM.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *