AEAM 60 ANOS – Livro narra a contribuição dos Engenheiros e Arquitetos na história de Maringá

A obra também narra como o arquiteto Nildo Ribeiro da Rocha que atuava na Prefeitura encontrou caminhos alternativos para elaborar o Plano Diretor da Cidade.
Antiga sede social da AEAM.
O atual presidente, o engenheiro Gilberto Delgado, diz que um dos objetivos é perenizar o trabalho realizado pelos presidentes, diretores e conselheiros que passaram pela Associação.
A comemoração dos 60 anos da AEAM começa de manhã na sede administrativa que a entidade mantém em parceria com o Sinduscon. Às oito horas acontece a apresentação do Espaço de Inovação da Engenharia Maringaense (Engenium Park) para os profissionais e estudantes dos cursos de engenharia e arquitetura.

No final dos anos 1950, com apenas 12 anos de fundação, Maringá já batia na casa dos 100 mil habitantes apresentando em 12 anos um crescimento populacional espantoso: mais de 80% no campo e 554% na cidade. Esse desenvolvimento exigia o trabalho intelectual dos engenheiros e arquitetos para atender a grande demanda de construção de residências, obras públicas e empresas, e também de projetos ligados à energia elétrica e telecomunicações, entre outros.

Os profissionais foram chegando e logo viram que precisavam se organizar. Desta forma, nascia oficialmente, em 15 de setembro de 1959, a Associação de Engenheiros e Arquitetos de Maringá, que acaba de completar 60 anos. O primeiro presidente foi Romeu Egoroff e a solenidade de fundação aconteceu no luxuoso salão amarelo do Grande Hotel Maringá (depois Maringá Bandeirantes Hotel).

As seis décadas de história da AEAM estão contadas em um livro escrito pelos jornalistas Dirceu Herrero Gomes e Regina Daefiol. A obra será lançada nesta sexta-feira, 6 de dezembro, durante jantar em comemoração aos 60 anos da AEAM, no Vivaro Eventos. O atual presidente, o engenheiro Gilberto Delgado diz que um dos objetivos é perenizar o trabalho realizado pelos presidentes, diretores e conselheiros que passaram pela Associação.

“Todos atuaram e atuam como voluntários, emprestando seu tempo e inteligência para uma grande causa. Além disso, com o livro estamos apresentando às novas gerações a importância da união dos profissionais em torno do associativismo, mostrando que as conquistas são fruto de muito trabalho e dedicação”.

Centenas de profissionais passaram pela AEAM. Entre os presidentes, 18 são engenheiros civis. As demais especialidades são: arquiteto (3); engenheiro mecânico (2); engenheiro eletricista (1); e engenheiro químico (1). O profissional que ocupou o cargo de presidente por mais tempo foi Antonio Eriberto Schwabe, que esteve à frente da AEAM de 1962 a 1974. Paulo Sérgio Magalhães da Silva comandou a entidade em três gestões e José Joaquim Rodrigues Júnior por duas vezes.

Os autores, Dirceu Herrero e Regina Daefiol lembram que o trabalho dos engenheiros e arquitetos permeia toda a trajetória da cidade. “Desde o próprio projeto de Maringá, elaborado pelo arquiteto e urbanista paulistano Jorge Macedo Vieira, essa presença é marcante”, explica Regina.

Dirceu Herrero lembra que toda a infraestrutura da cidade, seja nas áreas de energia elétrica ou saneamento, além do desenvolvimento de projetos em indústrias, quase tudo leva a assinatura dos profissionais. “Narramos a história da AEAM e também como os profissionais contribuíram para o desenvolvimento desta cidade que é um exemplo de qualidade de vida”, comenta Herrero.

O livro conta passagens não muito conhecidas da cidade como o dia em que o engenheiro Antonio Eriberto Schwabe foi alvo de um atentado a tiros. Ele atuava na Copel e a população estava revoltada com as quedas de energia. A obra também narra como o arquiteto Nildo Ribeiro da Rocha que atuava na Prefeitura encontrou caminhos alternativos para elaborar o Plano Diretor da Cidade.

“Eu tinha um avião e gostava de pilotar. Saía voando pela cidade com um colega e ia dando as coordenadas para ele marcar. Depois a gente fazia as concordâncias de ruas na prancheta. A Zona 5 eu planejei praticamente toda dentro do avião”, conta o arquiteto na obra.

O livro aborda estas e outras histórias como vários bate-chapas em eleições da entidade, projetos desenvolvidos pela AEAM como o Casa Fácil e Agenda Parlamentar, a construção da sede social, eventos técnicos e discussões sobre o planejamento de Maringá.

ENGENIUM PARK

SERÁ APRESENTADO

A comemoração dos 60 anos da AEAM começa de manhã na sede administrativa que a entidade mantém em parceria com o Sinduscon. Às oito horas acontece a apresentação do Espaço de Inovação da Engenharia Maringaense (Engenium Park) para os profissionais e estudantes dos cursos de engenharia e arquitetura.

Logo depois serão realizadas várias palestras: “Inovando em Ambientes Tradicionais”; “Boas Práticas de Inovação no Mercado Brasileiro da Construção Civil”; Fundo Imobiliário; “Ética Profissional no Mundo Dinâmico”. Após o almoço serão apresentados cases de Boas Práticas de Inovação no Mercado Brasileiro da Construção Civil, pelo Sebrae.

O livro e os eventos da AEAM nesta sexta-feira têm o apoio do Crea/PR, Sebrae/PR, Unicesumar, Sanches Tripoloni, Ambiente Ar Condicionado, Sicoob, Mutua-PR, Alumichapas, Metalcon, A.Yoshii, Revest, Unimed, Silvio Iwata e CooperCard.

SERVIÇO:
Comemoração dos 60 anos da AEAM
Engenium Park: Rua Tiradentes, 348, Vila Ipiranga
Jantar 60 anos: Vivaro Eventos – 20 horas
Convites e Informações: 44 3047-1375

Texto: Dirceu Herrero/RG Comunicação – Fotos: Divulgação/AEAM.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *