SRM comemora 40 anos relembrando feitos históricos

Fundadores, diretores e sócios tradicionais da Rural
Nas comemorações alusivas aos 40 anos da Sociedade Rural de Maringá, realizado na quarta-feira (17 de julho), a presidente Maria Iraclézia de Araújo, recebeu as integrantes da SRM Mulher, Amália Cardoso, Marcia Tupan, Nadia Felippe, Sonia Pedrali, Jane Angeli Junqueira, Sandra Henriques, Eliane Quesada Monteiro Meller, Rosangela Fontanella, Bete Benites e Vanessa Alexandra Cavallari.
Comemoração dos 40 anos da Sociedade Rural de Maringá, realizada nesta quarta-feira (17), na sede da entidade com os membros da Sociedade Rural de Maringá Jovem: com Higor Fratta, Julia Carvalho Marin, João Garcia, André Oliveira e Francisco Martins.
Bolo comemorativo aos 40 Anos de Fundação da Sociedade Rural de Maringá.

Diretores da Sociedade Rural de Maringá, membros fundadores, sócios e colaboradores se reuniram na noite de quarta-feira (17), para comemorar os 40 anos de fundação da entidade. Criada no ano de 1979, por um grupo de 100 pecuaristas, com a responsabilidade de gerir o parque de Exposições “Francisco Feio Ribeiro” e a Exposição Feira Agropecuária, Industrial e Comercial de Maringá (Expoingá), a entidade fez história nessas quatro décadas sempre defendendo os interesses da classe produtora e o fortalecimento do agronegócio.

Na noite de celebração, fundadores até hoje ligados ao quadro de sócios, ex-presidentes e diretores atuais recordaram conquistas da entidade. Para a presidente da SRM e primeira mulher a fazer história no país na gestão de uma entidade do gênero, Maria Iraclézia de Araújo, o momento é de gratidão e reconhecimento aos que fundaram a entidade e tantos outros que passaram pelas gestões, sempre sabendo construir para o melhor do setor.

“Os fundadores da SRM foram pessoas visionárias. Estavam num momento em que a pecuária de corte, de leite a o café viviam o seu auge e souberam aproveitar isso. Abraçaram uma causa e formaram uma associação de produtores que se fez representar pela pujança do que produziam e mostrar isso durante a feira agropecuária, cuja gestão até então cabia ao Município. A estrutura do parque de exposição era muito precária mas, aos poucos, a cada nova gestão, foi se construindo e melhorando, até chegarmos à estrutura que temos hoje, uma das melhores do país”, conta Maria Iraclézia.

João Carvalho, presidente de 1993 a 1997, lembra que um dos feitos principais das suas duas gestões, foi a cobertura da arena de shows e rodeio. “Foi uma obra que decidi iniciar porque a entidade tinha muito prejuízo com shows. Naquela época, os artistas só começavam a cantar depois de receber. E se chovia, era prejuízo certo. Muitos me consideraram louco, mas o projeto deu certo. Até hoje, é a única arena coberta de toda a América Latina, com um vão livre de 110 metros”, relata.

Em sua gestão, foi também construído o muro que cerca todo o parque de exposições, o pavilhão de suínos e a praça de alimentação, além de outras melhorias. “Eu vejo que a Rural progrediu a cada ano. Cada presidente procurou sempre fazer o melhor que pode. Hoje o parque de exposições de Maringá é o melhor do Brasil em infraestrutura”, conclui.

Alcides Fanhani, presidente nos anos de 1997 a 2000, também estava presente na comemoração e falou do valor milionário investido no parque de exposições ao longo dos anos, “fruto de muito esforço e trabalho voluntário de todos que passaram por aqui”, ressalta. “É uma satisfação ver as conquistas e um orgulho enorme saber que hoje temos um parque capaz de receber todos os eventos da cidade”.

FUNDADORES E SÓCIOS

Para Francisco Feio Ribeiro Filho, um dos fundadores da entidade, a  SRM ganhou expressão na cidade de Maringá e todo o Norte do Paraná.  Na avaliação dele, a Rural tem cumprido a missão para a qual foi fundada, ao atender as reivindicações dos produtores e levar seus anseios ao governo.  Também quando faz chegar às pessoas, por meio das feiras exposições, informações sobre o que acontece na agricultura e pecuária. “A Rural merece os nossos parabéns. O pessoal que hoje dirige a entidade merece mais ainda, porque estão levando com afinco e dedicação tudo aquilo que foi proposto no início”, expressou.

Na visão de Mauro Santos Jorge, outro sócio fundador, trata-se de uma história maravilhosa, porque a sociedade rural foi feita para agregar os pecuaristas da região, que na época eram fortes, mas viviam dispersos. “Nesse sentido, a entidade só agregou à categoria e até hoje luta pelo bem-estar do produtor rural”.

Produtor de leite tradicional da região, Ary Aladino Cândido foi sócio fundador e relembra com nostalgia a trajetória. “Parece que foi ontem que começamos tudo e já se passaram 40 anos. Temos muitas lembranças e amigos feitos ao longo dos anos, sempre num ambiente salutar, de troca de informações e experiências. Nunca me afastei da entidade”, pontua.

Quem também prestigiou a comemoração foi a tradicional pecuarista Marilena Meyer, cuja família sempre foi expositora de gado de leite, mesmo antes da Expoingá, quando a feira se chamava Expofemar. Ela disse que viveu ótimos momentos de integração e ressaltou o importante papel da Sociedade Rural na organização e valorização da classe.

Segundo Aquilino Panichella, que mantém ligação histórica com a feira, mesmo antes de ser Expoingá, é membro da atual diretoria e foi responsável pela última atualização do estatuto, o reconhecimento da entidade se dá pelo fato de sempre ter cumprido com a finalidade de fomentar o agronegócio e ter uma gestão centrada nos interesses da agropecuária.

PRESIDENTES

Presidiram também a entidade: Joaquim Romero Fontes (primeiro presidente), Giovani Ridolfi, Ermelindo Bolfer, Hélio Costa Curta, Otávio Dias Chaves Jr., Neri Fabre e Wilson de Matos Silva Filho.(www.srm.org.br)

 

Texto: Jornalista Valdete São José/Assessora de Imprensa/SEM

Foto: Ivan Amorin/Pólen Imagens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *