Prefeitura de Maringá entrega primeiro viveiro comunitário de Flores

A produtora Solange Marques reconhece a importância do viveiro para os produtores e destaca a intenção de oferecer oficinas à comunidade
Com espaço de 1.715 m², o viveiro é destinado à produção de plantas ornamentais de forração como...
...grama negra, grama amendoim e clorofito, envasadas, hibisco, amor-perfeito...
...impatiens (beijinho), vinca, poinsétia (flor de natal) e begônia
O viveiro oferecerá espaço para 19 famílias cultivarem e comercializarem flores, num modelo similar as hortas comunitárias.
O viveiro funcionará na esquina das ruas Rio Samambaia e Gregório Moreira, no Jardim Piatã, e integra a área paisagística junto ao Meu Campinho e ao Ecoponto.

 

O primeiro viveiro comunitário de flores, no Jardim Piatã, foi entregue aos produtores pelo prefeito de Maringá, Ulisses Maia, junto com os secretários Rafael Silva, da Secretaria de Inovação e Desenvolvimento Econômico (Seide), Antônio Padilha, dos Serviços Públicos, e Marco Antônio de Azevedo, do Meio Ambiente e Bem-estar Animal. O viveiro oferecerá espaço para 19 famílias cultivarem e comercializarem flores, num modelo similar as hortas comunitárias.

Os produtores foram capacitados para cuidar do espaço e estão na fase de plantio. “O projeto disponibiliza um espaço de interação entre as famílias, cultivo, geração de renda, além de incentivar o contato com a terra, como forma de melhorar a saúde”, explica Ulisses Maia. O Prefeito homenageou João Carlos de Oliveira, produtor mais antigo das Hortas Comunitárias de Maringá.

Com espaço de 1.715 m², o viveiro é destinado à produção de plantas ornamentais de forração como grama negra, grama amendoim e clorofito, envasadas, hibisco, amor-perfeito, impatiens (beijinho), vinca, poinsétia (flor de natal) e begônia. Projeto da Prefeitura de Maringá é desenvolvido pela Seide e Semusp.

O viveiro funcionará na esquina das ruas Rio Samambaia e Gregório Moreira e integra a área paisagística, planejada para o entretenimento e convívio social, junto ao Meu Campinho, espaço para esportes e lazer, e ao Ecoponto, contêiner compartimentado para receber recicláveis e materiais inservíveis.

A produtora Solange Marques reconhece a importância do viveiro para os produtores e destaca a intenção de oferecer oficinas à comunidade “Nos reunimos para iniciar alguns preparativos, como a limpeza do terreno, decoração e o plantio de algumas mudas. Espaços como esse incentivam a interação da comunidade, na medida que são uma terapia”, explica.

Fonte: Diretoria de Comunicação – Fotos: Aldemir de Moraes/PMM.

One comment

  1. Neide Maria de Oliveira Jardim

    Gostei muito da iniciativa, gostaria de participar, do próximo, como fazer inscrição????

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *